WORLD CLASS: o Futuro da Coquetelaria

A cultura da coquetelaria está florescendo e não há sinais de arrefecimento, com previsões indicando que até 2020 haverá 400 milhões de novos consumidores bebendo destilados de luxo[1]. Historicamente, os coquetéis foram desfrutados por europeus e americanos, mas a indústria está crescendo agora em escala global, se estendendo bem além dos limites de Nova York e Londres. Nos últimos cinco anos, o consumo de bebidas destiladas aumentou 26% na África e no Oriente Médio, 15% na Ásia e 22% na China[2].

Sucessivamente, a coquetelaria está abrindo novos caminhos em escala mundial, com os bartenders fazendo experiências com ingredientes e recorrendo a tecnologias para satisfazer os sentidos. Mas, em um mundo onde estamos constantemente buscando pelo próximo sucesso, eles precisam estar um passo à frente nesse jogo.

A WORLD CLASS, a competição de bartenders mais respeitada do mundo — uma iniciativa da empresa de bebidas destiladas Diageo para inspirar o mundo a beber melhor — fez uma parceria com a renomada empresa de consultoria do futuro, a The Future Laboratory, para investigar o futuro da coquetelaria e revelar as tendências estabelecidas para revolucionar nossas experiências com drinques.

O relatório “WORLD CLASS: Future of Cocktails” (futuro da coquetelaria) explora uma estimulante polinização cruzada de culturas, conforme apreciadores de coquetéis que viajam pelo mundo desencadeiam novas experiências, cortejam controvérsias e subvertem limites. Lançado na Final Mundial do Bartender do Ano da competição WORLD CLASS em Miami, o relatório revela as principais tendências e temas a serem observados.

COQUETÉIS CONTROVERTIDOS

O contexto:  Como passamos mais tempo online, estamos mais dogmáticos do que nunca. Sucessivamente, as pessoas estão buscando marcas que façam o mesmo e representem alguma coisa — 40% das pessoas dizem que querem uma marca com um propósito.[3]

Coquetéis controvertidos — a tendência: quando se trata de fazer coquetéis, donos de bar com pensamento progressista estão se livrando das regras tradicionais e resgatando sua criatividade, fazendo o que querem fazer, da maneira que eles querem fazê-lo.

1.  Fazendo do meu jeito

Tradicionalmente, o cliente sempre tem razão. A próxima geração de bartenders está mais disposta a exprimir suas opiniões e desistir de tentar agradar todo mundo, o tempo todo. Você não vai a um restaurante com estrelas do guia Michelin e diz ao chefe como preparar uma salada. Então por que dizer a um bartender experiente como fazer um Mojito?

O proprietário da Licoreria Limantour no México, Benja?in Padrón Novo, explica: “Sempre há clientes que me pedem para adoçar os drinques que servimos, mas sabemos que se fizermos isso iremos diluir o sabor da bebida destilada ou da fruta. Assim, agora apenas dizemos não e explicamos a razão ao cliente. Tudo faz parte de um processo de educação”.

2.  Performance de (B)arte e teatro provocante

Para divertir e provocar uma reação do cliente, os bares começam a adicionar teatro à experiência, criando uma forte impressão nos fregueses.

No Operation Dagger em Cingapura, uma nuvem dramática de lâmpadas incandescentes saúda os fregueses, ao mesmo tempo em que a instalação, feita pelo dono Luke Whearty, de câmeras falsas de circuito fechado de televisão nos banheiros adicionam uma dinâmica estimulante. Seus coquetéis são puro teatro também: vodca com infusão de flor de ervilha azul sensível à acidez (pH) e capim-limão luminescente, que misturado com champanhe transforma as bolhas da bebida destilada com cobalto em cor-de-rosa fluorescente.

3.  O menu de próxima geração

Os coquetéis evoluíram significativamente no decorrer dos anos, mas os menus continuam os mesmos… até agora. Bartendersinovadores estão se rebelando contra as tradições da profissão e pensando sobre novas maneiras criativas de os clientes se relacionarem com os drinques e navegarem pelo menu. Em vez de terem os nomes tradicionais de coquetéis, os novos menus convidam à exploração e envolvem o apreciador de drinques. O Trick Dog, em São Francisco, substituiu todos os nomes de coquetéis por signos astrológicos e cores Pantone, enquanto o Fragrances do The Ritz-Carlton, em Berlim, se tornou o primeiro bar em que você pode pedir drinques com base em perfumes ou aromas.

COQUETÉIS EMOCIONAIS

O contexto: Em um mundo em que, agora, as pessoas valorizam mais as experiências do que as posses, estamos observando o crescimento da economia emocional, com os consumidores buscando conexões mais profundas com as marcas.

Coquetéis emocionais — a tendência: os bartenders sempre foram pioneiros na adoção de novidades quando se trata de se conectar com as pessoas — o aspecto social de seu trabalho lhes proporciona uma forte percepção do que as pessoas pensam. Donos de bar definidores de tendências e marcas de drinques estão criando, agora, maneiras ainda mais inovadoras de se conectar mais profundamente com os clientes.

4.  Coquetéis com sentimentos

Na próxima década, preste atenção em bares que descartam os menus tradicionais e, em vez disso, listam seus coquetéis por estado de ânimo. Os drinques serão feitos sob medida para invocar uma emoção específica — o bartender pode preparar para você um coquetel vermelho que estimule a confiança, um amarelo que estimule a amizade ou um drinque negro para favorecer a disciplina.

Usando o sentido da visão e do cheiro para direcionar as emoções dos apreciadores de coquetéis, o Seymour’s Parlour em Londres está usando fragrâncias para conectar memórias agradáveis e nostálgicas, emitindo o aroma de grama recém-cortada para evocar imagens da primavera e de pinho defumado para transportar os clientes para uma noite aconchegante de outono.

5.  História em uma taça

Os coquetéis são usados, agora, para contar uma história e transportar os clientes para lugares exóticos. Bebidas destiladas locais, tais como Baijiu (destilada de trigo e arroz glutinoso com base em uma receita de 5.000 anos), estão sendo usadas para apresentar as pessoas às tradições chinesas.

O bar progressista Artesian, em Londres, explora as experiências pessoais dos clientes, perguntando sobre feriados recentes e criando um coquetel que captura o ânimo e a essência em uma taça.

6.  Apresentando o “micro-friend” (“microamigo”)

As pessoas estão buscando conexões instantâneas para desfrutar o aqui e agora e os bartenders frequentemente são os mais indicados para isso. Uma nova tendência, “the micro-friend” (o “microamigo”), é a dos bartenders se focarem em desenvolver relacionamentos com os clientes no pequeno tempo que passam juntos. De acordo com o australiano Tim Philips, que já ganhou o Bartender do Ano da WORLD CLASS, algumas microamizades são formadas em tempo tão curto como de 30 a 45 minutos, o tempo equivalente ao que o cliente gasta para beber um coquetel.

“Fazer um microamigo depende apenas de estabelecer uma conexão emocional com alguém e isso produz um efeito rápido e definitivo no grau que as pessoas gostam de seu bar”, ele explica. Assim, é natural que seu bartender faça perguntas sobre seu fim de semana, trabalho e família, para transformar você de cliente em amigo.

FREGUESES COM IDENTIDADE MUTÁVEL

O contexto: De acordo com a ONU, um recorde de 232 milhões de pessoas estão vivendo em países diferentes daquele em que nasceram. Considerando a nós mesmos seres “sem fronteiras”, nós nos definimos mais por nossos estilos de vida ou preferências musicais do que pelo nosso país de origem.

Fregueses com identidade mutável — a tendência: na vanguarda das tendências, os donos de bares estão buscando consumidores que sentem um descaso saudável pela submissão.

7.  Deixe o gênero na porta

Os dias em que os drinques eram considerados uma “coisa de homem” ou “coisa de mulher” terminaram. Os limites se ofuscaram e, conforme a sociedade evolui para além das normas tradicionais do gênero, as pessoas estão se sentido liberadas para escolher suas bebidas. Os bartenders estão usando, agora, a linguagem do “gênero neutro” para descrever, dar nome e servir coquetéis.

Procure por “Brosé” — homens desfrutando sem nenhum constrangimento um vinho Rosé e mulheres bebendo, com tranquilidade, um drinque Old Fashioned.

8.  Uma carreira, não um emprego

Conforme os clientes se tornam mais bem informados e mais exigentes no bar, o papel do bartender também está evoluindo. Competições mundiais, tais como a do Bartender do Ano da WORLD CLASS, mostram como os bartenders profissionais se valem de qualificações acentuadas, visão criativa e habilidade de impressionar; identidade mutável em ação.

O fundador da organização coletivista mundial de drinques P(OUR), Alex Kratena, explica: “Os melhores bartenders se mantêm em dia com os apreciadores de coquetel afirmativos, instruídos e cosmopolitas, de forma que devem estar por dentro de seu jogo e oferecer algo extra”.

Isso leva a perspectivas estimulantes de carreira, à medida que os bares investem em suas equipes mais do que nunca, fazendo-os viajar pelo mundo, a fim de criar heróis locais que irão fazer o cenário da coquetelaria progredir. A Licoreria Limantour apoia seus bartenders que economizam para fazer treinamentos no exterior, a fim de aprimorar suas qualificações, enquanto o Outrage, na África do Sul, equipa seu pessoal com todas as qualificações que precisam, desde a aquisição de ingredientes e ferramentas essenciais para operar um bar full service.

9.  Bartenders com múltiplas qualificações

Os bartenders formam um grupo de pessoas com múltiplos talentos, crescentemente com identidades mutáveis que lhe são próprias. Parte chefe de cozinha, parte profissional do bar, parte confeiteiro, com papéis que se estendem para além do bar.

Forçando os limites ainda mais, esses bartenders com múltiplas qualificações estão desafiando seus clientes sobre o que constitui um coquetel. “O curso mais memorável que fiz no The Clove Club foi o da Madeira de cem anos”, diz o codiretor do Blanch & Shock Mike Knowlden. “Eles colocam para você um pouquinho, que você tem de provar, e então eles colocam um consomê de pato sobre ele e isso de torna, efetivamente, uma sopa de pato. Me deixou um pensamento fascinante: como pode um consomê ser um coquetel?”

“Os coquetéis evoluíram muito além de sua forma clássica e de líquidos misturados em uma taça. Profissionais de bar criativos, equipados com os últimos ingredientes, tecnologias e ideias estão mudando todo o conceito de coquetelaria e nos deixando sedentos pelo que está por vir”, diz o sócio sênior da The Future Laboratory, Tom Savigar.

Visite theworldclassclub.com para ler o relatório completo e saber mais.

Notas aos editores

Sobre a WORLD CLASS

A missão da WORLD CLASS é inspirar as pessoas a beber melhor e criar experiências inesquecíveis nesse processo. Seja em casa ou em um bar, a WORLD CLASS encoraja os consumidores a pensar e se importar com drinques requintados da mesma maneira com que se importam com um jantar requintado.

A WORLD CLASS apoiou, treinou e inspirou 250.000 bartenders no mundo nos últimos oito anos, ao mesmo tempo que fez parcerias com as bebidas destiladas mais finas do mundo — a Diageo Reserve Collection. A WORLD CLASS também é a autoridade no setor de drinques, na qual os consumidores buscam as informações sobre o que há de mais novo em tendências de drinques, receitas de coquetéis e percepções do setor.

A World Class promove o “Bartender do Ano da WORLD CLASS” (“WORLD CLASS Bartender of the Year“), a mais prestigiosa competição de bartenders do mundo. Após as competições locais pelo mundo, 57 dos melhores bartenders do mundo competem pelo prêmio de melhor bartender do mundo. Visite theworldclassclub.com para mais informações.

Sobre a Reserve da Diageo

Criada em 2004, a divisão Reserve da Diageo se foca em oportunidades de luxo globais, reunindo marcas desenvolvidas em uma forte tradição, habilidade artesanal e autenticidade. Esse portfólio de luxo contém o Johnnie Walker Blue Label, Cîroc,Don Julio, Tanqueray No. TEN, vodca Ketel One, Zacapa e uma fina coleção de Single Malts. O portfólio da Reserve responde por mais de 15% das vendas totais da Diageo e cresceu 5% nesse ano financeiro.

Sobre a Diageo

A Diageo é a líder mundial em bebidas alcoólicas, com uma coleção excepcional de marcas, que incluem os uísques Johnnie Walker, Crown Royal, J?B, Buchanan’s e Windsor, as vodcas Smirnoff e Cîroc, além das marcas Captain Morgan, Baileys, Don Julio, Tanqueray e Guinness.

Diageo está registrada na Bolsa de Valores de Londres (DGE) e na Bolsa de Valores de Nova York (DEO). Seus produtos são vendidos em mais de 180 países. Para mais informações sobre a Diageo, seu pessoal, suas marcas e desempenho, visitehttp://www.diageo.com. Para ver os recursos globais da Diageo, que promovem o beber com responsabilidade, e para informações, iniciativas e maneiras de compartilhar melhores práticas, visite http://www.DRINKiQ.com.

Celebrando a vida, todos os dias, em todos os lugares.

1. Relatório sobre o Luxo da Future Labs de 2015.

2. Relatório sobre o Luxo da Bain de 2015.

3. Relatório “WORLD CLASS: o Futuro da Coquetelaria” de 2016.

*Fonte: Os melhores 50 bares do mundo, Euromonitor, ASKCIA.

To view the original version on PR Newswire, visit:http://www.prnewswire.com/news-releases/world-class-o-futuro-da-coquetelaria-300336387.html

FONTE WORLD CLASS

(Visited 8 times, 1 visits today)

Comentários no Facebook

Anuncie Aqui! Dê Mais Visibilidade ao Seu Negócio CLIQUE AQUI E ENTRE EM CONTATO