ESPÍRITO DE MINAS LANÇA “COLEÇÃO ARTISTAS BRASILEIROS” ESTAMPANDO OS RÓTULOS DA CACHAÇA

“Coleção Espírito de Minas Artistas Brasileiros” é o nome da edição especial numerada da cachaça Espírito de Minas, lançamento da Natique Osborne para o mercado nacional. De uma única vez, a empresa lançauma nova versão mais envelhecida da cachaça que já é consagrada e obras de arte exclusivas emolduradas em forma de rótulos para serem apreciados juntos.

A cachaça Espírito de Minas, referência em qualidade no segmento, chega ao paladar com maior presença da madeira, também perceptível no aroma. São mais de três anos envelhecendo em barris de Carvalho.E as figuras que ilustram as embalagens vão além de simples roupagens. Elas expressam o olhar de cada um dos consagrados artistas brasileiros, reconhecidos e premiados mundialmente: Aldemir Martins, Claudio Tozzi, Elifas Andreato, Ivald Granato e Newton Mesquita.

São cinco diferentes rótulos com releituras sobre a imagem original da marca:a tradicional igreja de São Francisco de Assis, construída em 1749 em Ouro Preto, Minas Gerais.

Os artistas e seus olhares

A primeira releitura do rótulo da Espírito de Minas foi criada em 2003pelo consagrado Aldemir Martins, cearense queiniciou carreira artística ainda jovem como ilustrador de jornais, revistas e livros. Foi reconhecido como um autêntico artista brasileiro e expôs em museus e galerias nos Estados Unidos e Europa. Sua técnica passeia por várias formas de expressão, compreendendo a pintura, a gravura, o desenho, a cerâmica e a escultura, sempre com traços fortes e tons vibrantes, que imprimem vitalidade e força à sua produção. Aldemir Martins faleceu em 2006, deixando um legado louvável de sua obra.

Outra releitura de Espírito de Minas é a obra de arte de Claudio Tozzi, Doutor pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Seus primeiros trabalhos na década de 60 traziam novas experiências visuais e rapidamente ficaram conhecidos no meio artístico-cultural. Sua carreira é uma constante reinvenção, produzindo obras a partir de ícones universais, simbolismos e conceitualismo. Essa característica versátil e inovadora o rendeu grande reconhecimento internacional, com inúmeras exposições e participações ao redor do mundo. Conquistou prêmios e realizou obras públicas em edifícios, estações de metrô e superfícies das cidades.

O artista paranaense Elifas Andreato, também jornalista, começou sua carreira aos 14 anos pintando painéis para decorar as festas da empresa onde trabalhava como torneiro mecânico. Ao longo de sua carreira, fez projetos gráficos para a editora Abril e depois se tornou programador visual para peças de teatro. Também foi autor das capas de grandes discos da MPB nos anos 80, se consagrando como um artista que acompanhou e retratou grande parte da história do Brasil. Autodidata, conhecido por sua ousadia, criatividade e humildade, Elifas não tem uma forma de expressão preferida e cria obras repletas de sentimentos, livres de influências.

Ivald Granato, falecido em julho deste ano, foi um artista que sempre olhou pra frente, teve sua arte comprometida com o Brasil moderno. Começou a pintar desde cedo sob influência de pintores cubistas. Durante sua carreira, atuou em quase todos os campos da arte, pintando, desenhando e esculpindo. É considerado um dos grandes artistas modernos do século. Numa realidade que quase beira o abstrato, sua obra destaca-se pela espontaneidade e vivacidade, apresentando pinceladas vibrantes e, muitas vezes, tintas escorridas. Cada detalhe apreciado é uma feliz surpresa. Cada pincelada colorida é um novo respiro de inspiração, como cada gole de uma dose de Espírito de Minas.

E, para completar a “Coleção Artistas Brasileiros”, está o paulistano Newton Mesquita. Nasceu em 1949 e formou-se em arquitetura em 1977, mas participa de mostras coletivas e salões oficiais desde 1972. Newton Mesquita começou a pintar aos 10 anos, quando ganhou seu primeiro estojo de pintura do tio. Em sua trajetória, conta com 52 exposições individuais nas técnicas de pintura, aquarela, desenho, escultura, objeto e gravura, em importantes museus como o MASP e o Museu de Arte Moderna de São Paulo. Figura no meio artístico como referência estética. Seus trabalhos abrangem de obra cinematográfica até o retrato, passando pela ilustração e pintura. Ainda possui obras em coleções no exterior como o Museu Salvador Allende, no Chile, e a Galeria Degli Ufizze, em Florença, na Itália. Também possui quatro livros lançados sobre o seu trabalho.

image004A valorização da cultura brasileira está no “dna” da marca Espírito de Minas, que tem o  nome criado a partir dos primeiros versos de um renomado poeta nacional. A cachaça é produzida artesanalmente em uma fazenda colonial de 1910 localizada em São Tiago, interior de Minas Gerais, a cerca de 200 quilômetros de Belo Horizonte, e está nas principais redes de varejo, bares e restaurantes de grandes capitais do Brasil e cidades do interior.

E a “Coleção Espírito de Minas Artistas Brasileiros” surge como mais um capítulo cultural importante da trajetória da cachaça mineira que conquistou apreciadores em todo País. A marca foi inspiração para grandes referências em obras de arte e poderá ser apreciada em dose dupla: pelo sabor único que oferece e pelas gravuras emolduradas em garrafas, que podem ser colecionadas.

A “Coleção Espírito de Minas Artistas Brasileiros” está sendo lançada em garrafas individuais de 750 ml, e em forma de kit com três garrafas de 250 ml, com rótulos assinados por diferentes artistas, e três copos de dose personalizados.

 

Espírito de Minas

Site: www.espiritodeminas.com.br

Mídias sociais: espiritodeminas no Instagram e no Facebook

SAC: 0800 55 80 18

Telefone: 11 3875-1223

 

Onde encontrar:

 

Empório Metapunto

www.metapunto.com.br

 

Savana Cachaças

www.savanacachacas.com.br

 

Cachaçaria Nacional

www.cachacarianacional.com.br

Créditos: Leila Peres / Assessoria

 

(Visited 10 times, 1 visits today)

Comentários no Facebook

Anuncie Aqui! Dê Mais Visibilidade ao Seu Negócio CLIQUE AQUI E ENTRE EM CONTATO