Entenda a importância do ressecamento vaginal e como cuidar-se

O ressecamento vaginal é enfrentado pelas mulheres em algumas fases de sua vida, podendo interferir diretamente em seu bem-estar emocional, físico e até social¹. Ele ocorre em momentos de queda na produção dos estrogênios, e a lubrificação da vagina torna-se muito baixa ou ausente.

Esse problema está relacionado à saúde íntima, que muitas vezes, ainda é um tabu e que afeta diretamente a qualidade de vida da mulher, que pode se sentir desconfortável em diversos momentos com os sintomas causados pelo ressecamento.

As consequências da falta de lubrificação causada pelo ressecamento são: sensação de irritação ou queimação, coceira, diminuição da elasticidade da vagina e dor durante a relação sexual². Esses sinais atrapalham a autoestima da mulher, que passa a se sentir menos segura para enfrentar o dia a dia. É importante que a mulher saiba que nenhum desses sintomas são normais, e precisam ser levados ao médico.

“O ressecamento vaginal é notado também pelas mulheres no momento das relações sexuais, quando falta lubrificação e o ato torna-se difícil e doloroso. Elas relatam que isso afeta o relacionamento com seus parceiros e causa certa insegurança”, comentao médico ginecologista Ricardo Bruno (CRM 52.50137-3), da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de Rio de Janeiro.

Geralmente o ressecamento vaginal ocorre durante o pós-parto, a amamentação e a menopausa, quando o organismo reduz naturalmente a produção de estrogênio³. Para entender melhor, no pós-parto essa diminuição acontece porque há o aumento na produção de prolactina (hormônio da produção do leite). Assim, o organismo bloqueia boa parte da produção dos estrogênios para se concentrar na produção da prolactina.

 

Já na menopausa, há uma diminuição no estímulo para fabricação dos estrogênios, em comparação ao período da puberdade4. O ressecamento vaginal pode começar na pré-menopausa e vai aumentando até alcançar seu ápice na pós-menopausa, período em que o nível de ressecamento é 47% maior em relação ao climatério (transição em que a menstruação fica mais espaçada até parar de vez).

 

“Há muitas queixas das mulheres, na fase de climatério, de dores durante a relação sexual, ardência após o término e outros sintomas como coceira e dificuldade para urinar. Esses são os momentos em que as mulheres mais sentem o ressecamento vaginal”, ressalta o ginecologista. “As mulheres que acabaram de ser mães costumam perceber o ressecamento após 30 dias do parto, porém as queixas são menores do que as das mulheres na menopausa”, complementa.

 

Outra razão para ocorrer o ressecamento vaginal é o tratamento do câncer. Tanto a radioterapia quanto a quimioterapia podem causar a diminuição da produção de hormônio feminino responsável pela lubrificação vaginal e assim causar o ressecamento5-7.

Muitas mulheres utilizam lubrificantes vaginais para aliviar os sintomas de dor e ardência durante a relação sexual. Porém, isso pode quebrar a espontaneidade da relação, deixando a mulher tensa e muitas vezes ansiosa.  Além disso, ele não resolve os outros problemas causados pelo ressecamento. Segundo Ricardo Bruno, quando o lubrificante utilizado não é à base de água e sim de petróleo e óleo, o ressecamento vaginal pode se agravar após a relação sexual. Assim, é preciso ficar atenta à composição do produto e sempre conversar com o médico.

 

O Vagidrat, hidratante intravaginal, surge como uma opção mais adequada para quem procura um efeito de longa duração. Livre de hormônios, age no aumento do volume de água no tecido celular vaginal e restaura o pH da região8. Esse processo proporciona maior lubrificação, aliviando os sintomas do ressecamento, não apenas a dor na relação sexual.

 

A mulher pode utilizar o hidratante em qualquer hora do dia, antes de dormir ou ao acordar, quando for se sua preferência. Ele manterá a região hidratada por até três dias, proporcionando conforto, qualidade de vida e espontaneidade nos momentos íntimos. Além disso, pode ser usado com preservativos, não contém fragrância, parabenos, sabor ou elementos agressivos.

 

Assim, a mulher se sente mais preparada para a relação e mais segura no dia a dia após o alivio dos problemas do ressecamento. “O benefício do uso do hidratante vaginal é uma região íntima mais lubrificada, protegida de bactérias externas e pronta para relações sexuais prazerosas”, finaliza o médico.

 

Referências

¹ Site Vagidrat. Disponível em: http://vagidrat.com.br/sobre.php. Acesso em: 25 de abril de 2016.

² Reiner A, Johnson. Atrophic Vaginitis: Signs, Symptoms and Better Outcomes Nurse PR Act. 2011 Jan; 36(1)22-8)    

³ Andriotti, Tomás. Aula Colpotrofine e Vagidrat.

Baker TG. Proc R Soc Lond. 1963; 158; 417-23.

5 Durrani MJ Prolonged released bioadhesive vaginal gel dosage form. US Patent n.6.159.491, 12 dex. 2000.

6 Robinson JR. Bologna WJ. Use of polycarboxylic acid polymers to treat vaginal infections. U.S. Patent n. 6.017.521, 25 jan. 2000.

7 Valenta C. The use of mucoadhesive polymers in vaginal delivery. Advanced Drug Delivery Reviews. 2005;57(11):1692-712.

8 Bula do produto Vagidrat®.

 

 

Sobre o Vagidrat

Vagidrat é um hidratante intravaginal de longa duração livre de hormônios que restaura o pH vaginal e alivia os sintomas do ressecamento vaginal por até três dias, proporcionando conforto, qualidade de vida e espontaneidade nos momentos íntimos. Como possui uma boa aderência ao tecido celular da vagina, pode ser aplicado em qualquer momento do dia. É indicado para diversas fases da vida, como pós-parto, amamentação e menopausa, e durante tratamentos oncológicos. Sac 0800 7778382

Para mais informações, acesse www.intimamentebem.com.br.

 

Sobre a Teva  

A Teva Farmacêutica é líder global no setor farmacêutico e oferece soluções com alta qualidade voltadas para a melhora da qualidade de vida. Com sede em Israel, a Teva é o maior produtor de medicamentos genéricos do mundo, aproveitando um portfólio com mais de 1.000 moléculas para produzir uma ampla gama de produtos genéricos para quase todas as áreas terapêuticas. Além disso, a Teva tem uma posição de liderança mundial em tratamentos inovadores para doenças do sistema nervoso central, incluindo a dor, bem como um forte portfólio de produtos para a área respiratória. A divisão de pesquisa e desenvolvimento da Teva integra medicamentos genéricos e de marca, criando novas formas de abordagem para as diferentes necessidades dos pacientes combinando o desenvolvimento de novas drogas com dispositivos, serviços e tecnologias. No Brasil desde 2006, oferece produtos para Saúde Feminina, Oncologia, Área Respiratória, Neurologia, Hematologia e Infectologia. A receita líquida global da Teva totalizou US$ 6,17 bilhões em 2015.

Créditos: Mariana Roman / Assessoria

(Visited 82 times, 1 visits today)

Comentários no Facebook

Anuncie Aqui! Dê Mais Visibilidade ao Seu Negócio CLIQUE AQUI E ENTRE EM CONTATO